sexta-feira, 27 de julho de 2012

FESTA DE SENHORA SAN'TANA E SÃO JOAQUIM

A Festa em louvor a Senhora Santana e São Joaquim ocorre em julho, se estendendo por cerca de cinco dias. Contudo, por volta de 15 dias antes da festa oficial iniciar-se, a imagem de Santana percorre as casas da comunidade como forma de preparação, ocorrendo a reza do terço e orações devocionais. Em seguida, acontece o tríduo preparatório, quando há uma caminhada conduzindo a imagem de Santana para a capela, celebrações eucarísticas, orações do terço, procissão da bandeira e a participação da comunidade e convidados. Durante os festejos,  missas são celebradas, como a missa dos enfermos, com benção especial a estes. No dia 26 de julho (dia consagrado a Santana) ocorre uma celebração solene e a procissão com as imagens de Santana e São Joaquim percorrendo as principais ruas da comunidade. 
Os organizadores da festa, que é a Irmandade de Sant'Ana, são responsáveis pela arrecadação de recursos para a realização da mesma, buscando patrocínios de empresas e doações da comunidade.




Convite da festa de Senhora Sant'Ana e São Joaquim - julho de 2010 - APMOP

FESTA DE SENHORA SAN'TANA E SÃO JOAQUIM

A Festa em louvor a Senhora Santana e São Joaquim ocorre em julho, se estendendo por cerca de cinco dias. Contudo, por volta de 15 dias antes da festa oficial iniciar-se, a imagem de Santana percorre as casas da comunidade como forma de preparação, ocorrendo a reza do terço e orações devocionais. Em seguida, acontece o tríduo preparatório, quando há uma caminhada conduzindo a imagem de Santana para a capela, celebrações eucarísticas, orações do terço, procissão da bandeira e a participação da comunidade e convidados. Durante os festejos,  missas são celebradas, como a missa dos enfermos, com benção especial a estes. No dia 26 de julho (dia consagrado a Santana) ocorre uma celebração solene e a procissão com as imagens de Santana e São Joaquim percorrendo as principais ruas da comunidade. 
Os organizadores da festa, que é a Irmandade de Sant'Ana, são responsáveis pela arrecadação de recursos para a realização da mesma, buscando patrocínios de empresas e doações da comunidade.




Convite da festa de Senhora Sant'Ana e São Joaquim - julho de 2010 - APMOP

segunda-feira, 23 de julho de 2012

FESTIVAIS EM RESSONÂNCIA


 Abordagens dadas pelos “Festivais de Inverno” ao conceito de “patrimônio cultural” em distintos contextos

Os patrimônios podem" (...) "exercer uma mediação entre os aspectos da cultura classificados como “herdados” por uma determinada coletividade humana e aqueles considerados como “adquiridos” ou “reconstruídos”, resultantes do permanente esforço no sentido do auto aperfeiçoamento individual e coletivo.” (GONÇALVES,  2005)

Recorte do Jornal do Brasil 31/02/71
Em 1971, 0 Festival de Inverno de Ouro Preto recebe patrocínio do MEC e promove “cursos de férias”. Abrindo campo então ao debate, observação e manifestação da categoria de patrimônio cultural e possibilitando experiências sobre a cultura mineira em sua autenticidade. Recebe apoio do ministério como reconhecimento de sua importância no âmbito nacional e tem na proposta “cursos de férias” que possibilitam ao sujeito atuar e apreender neste campo - o posicionando entre o ideal preservacionista e a possibilidade de atuação neste sentido.


Jornal “O Ouro Preto” 20/07/1972
Em 1972 a matéria do Jornal "O Ouro Preto" destaca a preocupação do Prefeito Dr. Benedito Gonçalves Xavier com a produção de pesquisa sobre o patrimônio material de Ouro Preto e demais cidade históricas de Minas Gerais. O mesmo jornal reserva grande parte da matéria às redescobertas de pontes, ruínas e peças sacras recuperadas. Ao entender do autor da matéria a cidade quando pesquisada sempre surpreenderá aos que se colocam a esta prática. O festival de inverno em 1971 ocorre assim em oncomitância ao III Encontro de Prefeitos, que irão debater turismo em Minas e no qual o Prefeito Dr. Benedito defenderá as políticas preservacionistas arraigadas à manutenção dos patrimônios materiais mineiros. No que tange a programação do festival deste ano destaca-se: A peça “Libertas Quae Sera Tamem” apresentada pelos alunos da escola técnica da UFMG; a peça “Aleijadinho, aqui e agora”  e os concertos realizados pelos alunos do festival.  Estes eventos e também o III Encontro de Prefeitos, dão a tônica à forma pela qual o patrimônio cultural é refletido pela comunidade mineira naquele momento. No contexto da cidade de Ouro Preto – e demais cidades históricas de Minas Gerais – uma ideia de patrimônio cultural dependente de um produto material do passado pode ser evidenciada nas políticas preservacionistas apresentadas no encontro de prefeitos, o que neste momento tornavam necessárias, pois esta cidade teve seu espaço material reconhecido como patrimônio nacional e passava por sérios problemas estruturais quanto a sua conservação. Assim a preservação das formas passadas possibilitaria serem trabalhadas no presente não apenas na sua representação na memória coletiva dos brasileiros, como também pelo empreendedorismo do turismo como possibilidade de produção de renda aos cidadãos e gestão dos seus patrimônios. As peças apresentadas então sobre temas – “Libertas Quae Sera Tamem” e “Aleijadinho, aqui e agora” - tão carregados de referenciais na memória coletiva dos mineiros denotam as maneiras como as novas abordagens dão a dinâmica às formas passadas.
Jornal “O Ouro Preto” 20/07/1972
A busca de estruturação e busca de ordenação racional do conceito de cultura em sua manifestação retomou a um problema epistemológico clássico aos acadêmicos que trabalham com este conceito durante o mesmo período. A incapacidade de delimitar a cultura em um objeto de forma estática, o que só é alcançado num plano ideal, não atingindo a manifestação real (SAHLINS, 1997). Logo a cultura material seria forma de se ter registro destas alterações como também possibilitaria abrir questões sobre o modo que estes materiais estão comunicando quando reconhecidos e interpretados como representação da memória coletiva (Duarte, Alice. Antropologia e museus: o museu como lugar de representação do outro.). Daí o discurso da matéria do Jornal “O Ouro Preto”, ainda que “idolatrando” o patrimônio material da cidade, fomenta a intangibilidade de suas formas o que sempre surpreende e surpreenderá quem o pesquisa em seu presente.

Jornal O Ouro Preto, 15 de Maio de 1974
Jornal O Ouro Preto, 15 de Maio de 1974
Dois anos depois, em 1974, o jornal O Ouro Preto anuncia o 8º Festival de Inverno como um programa bastante diferente “embora continue perseguindo os mesmo objetivos: a extensão e o turismo cultural nas cidades mineiras” e possibilitando a estudantes do Brasil e do exterior  a conhecer “o riquíssimo patrimônio cultural, estudando-o e debatendo os seus diversos aspectos”. Sob o tema “300 anos do ciclo do ouro e do diamante” o festival de 1974, com a programação cultural estendida a 18 cidades mineiras, cede espaços a diversos festivais de manifestações culturais como Festival de Corais, Festival Brasileiro de Teatro Amador, Festival de Dança além do III Encontro de Museus e II Seminário Nacional de Educação Artística. Tais festivais abrem campo para a experimentação, apresentação, debate e troca de experiências, indicando a dinâmica destas manifestações culturais que compõe o patrimônio cultural dos mineiros. O III Encontro de museus que integra a programação deste ano acentua um movimento de ganho de autonomia às certas instituições quanto à gestão do seu patrimônio material. Um movimento característico na década de 70 pelo qual a cultura material fora apreendida pela sua representação simbólica com o fim de que, ao interpretá-la, o expectador se identifique em relação à instituição que a expõe. Daí a necessidade do debate que fomente os problemas e possibilidades, ajustados ao contexto em que se expõe (idem.) A segunda edição do Seminário Nacional de Educação Artística ressalta o debate sobre a transmissão do saber sobre o patrimônio artístico pelo ensino das artes nas escolas do País. Logo, posta em debate, tal forma de transmissão tende a se ajustar as questões práticas do presente. 
Mantendo os minicursos e apresentações de concertos musicais, peças teatrais, exposições artísticas, destaca-se neste momento a apresentação de espetáculos folclóricos e de música popular como também as feiras livres de arte e artesanato. Estes últimos eventos ganham destaque, pois fertilizam o “campo” em que o festival ocorre com maior diversidade de formas culturais possibilitando a troca dos seus produtos culturais.



Folheto: 24º Festival de Inverno da UFMG. BH – Julho de 1992
Já em 1992 o festival de inverno trabalhará o conceito de patrimônio cultural aparentemente de maneira mais distante do que em seus primeiros momentos. Mas de fato ocorre a uma distância geográfica, os festivais de 1989 a 1992 foram realizados em Belo Horizonte e ajustando ao contexto nacional o evento de 1992 tratou do patrimônio cultural em proximidade ao patrimônio natural – visto a preocupação sobre a ecologia debatida neste mesmo ano na conferência Rio 92. O distanciamento, entre o que se entende como patrimônio cultural relacionado aos produtos humanos e o patrimônio natural é aparente já que o patrimônio cultural humano sempre esteve em dependência ao que o meio natural lhe oferece (MELLO, 1987) . A gestão de um patrimônio cultural está então intrigada à disposição das formas naturais. Logo, ganha destaque a produção artística ajustada à preocupação ecológica contemporânea.



Jornal Hoje em Dia, Belo Horizonte julho de 2004
Em 2004, o Festival de Inverno das cidades de Ouro Preto e Mariana é gerido pela pró-reitoria de extensão da Universidade de Ouro Preto, na forma inédita de fórum das artes. Aproximando organização ao contexto local aonde ocorre, o festival de inverno de 2004 deve nos servir como objeto de comparação entre sua abordagem sobre o patrimônio cultural e as abordagens dos primeiros festivais. Em entrevista à matéria “UFOP dá inicio ao seu ‘Fórum das Artes’”, publicada no Jornal Hoje em Dia em julho de 2004, o pró-reitor de extensão da UFOP, Nuno Santos Coelho destaca a gestão feita pela UFOP como autonomia local na organização do evento e também ajusta o foco na “discussão de temas de interesse no momento” sendo o tema “Patrimônio Cultural – Cidades”. O que aparenta estar muito próximo da proposta de 1972, em que as cidades históricas e seu potencial patrimonial ganhavam o centro das discussões, destoa na forma em que este conceito de patrimônio será abordado em 2004. Entre o encontro de prefeitos que integrou o festival de 1972 com a preocupação de preservação material do patrimônio das cidades mineiras e a “oficina-tema” sobre cartografia cultural de 2004, denota se a superação do conceito de patrimônio cultural em relação a suas representações apenas materiais – o que ocorre ao longo dos 32 anos de festivais. A ideia de cartografia cultural tende a observar a disposição das manifestações de cultura sobre o espaço físico não só pelos seus produtos materiais, mas também nas suas manifestações cotidianas. Logo, a categoria imaterial do conceito de patrimônio cultural é posta em voga efetivamente no festival, sendo tema de oficinas e debates mais incisivos. Quanto à transmissão das formas culturais, há em 2004 uma maior autonomia nas apresentações de teor populares e locais, revelando a valoração das formas de cultura tidas como popular que buscam autenticidade e reconhecimento no campo cultural em que manifestam. Esta valoração, que aparenta ter começado a ser fomentada desde o festival 74, pode ser entendida como constante apropriação de novas formas – que garantem a um grupo cultural, na contemporaneidade, melhor comunicação e a reafirmação sua identidade num jogo de autenticidade (individual/singular) e reconhecimento coletivo (MIRA, 2004). Daí destaca-se na programação do festival de 2004 os grupos mineiros Uakti e Galpão que ganham espaço tanto para apresentação quanto para produção nas oficinas.
Jornal Hoje em Dia, Belo Horizonte julho de 2004
Como relevou o pró-reitor de extensão Nuno Santos o “festival não pretende ser apenas um produto de consumo imediato”, mas não só o festival 2004, todos os outros podem ser apreendidos como um campo em que a cultura enquanto categoria de patrimônio não é digerida de imediato como também não é apenas posta à digestão sendo constantemente relacionada às formas e abordagens de cada contexto em que ocorre.
 Há de se destacar então que em todos os momentos o Festival de Inverno foi também espaço para absorção de grande diversidade de referenciais culturais contando com apresentações de outras regiões do país e até internacionais. E isto fez com que ao longo dos anos a categoria de patrimônio cultural relevasse também valores adquiridos e reconstruídos o que, como citado ao inicio do texto, são resultados “do permanente esforço no sentido do auto aperfeiçoamento individual e coletivo.” (GONÇALVES, 2005).

 

Referencias:
Duarte, Alice. Antropologia e museus: o museu como lugar de representação do outro. In: Revista Antropológicas, n.º 2, 1998.
GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Ressonância, materialidade e subjetividade: As culturas como patrimônios. In: Revista Horizonte antropológico vol.11 no.23 Porto Alegre Jan./June 2005.
MELLO, Luiz Gonzaga de. Cultura: Funcionamento e Mudança. In: Antropologia Cultural: iniciação, teorias e temas. Petrópolis, Vozes, 1987. Pp.80 – 126
MIRA, Maria Celeste. O global e o local: mídia identidades e usos da cultura. Margem. São Paulo: Faculdade de Ciências Sociais / PUC, nº3, p.131-149, dez. 2004.
SAHLINS, Marshall. O “pessimismo sentimental” e a experiência etnográfica: Por que a cultura não é um “objeto” em via de extinção In: Revista Mana vol.3 n.1 Rio de Janeiro Abril. 1997

Fontes: 
Jornal Hoje em Dia, Belo Horizonte julho de 2004.
Folheto: 24º Festival de Inverno da UFMG. BH – Julho de 1992.
Jornal O Ouro Preto, 15 de Maio de 1974.
Jornal “O Ouro Preto” 20/07/1972.
Recorte do Jornal do Brasil 31/02/71.

FESTIVAIS EM RESSONÂNCIA


 Abordagens dadas pelos “Festivais de Inverno” ao conceito de “patrimônio cultural” em distintos contextos

Os patrimônios podem" (...) "exercer uma mediação entre os aspectos da cultura classificados como “herdados” por uma determinada coletividade humana e aqueles considerados como “adquiridos” ou “reconstruídos”, resultantes do permanente esforço no sentido do auto aperfeiçoamento individual e coletivo.” (GONÇALVES,  2005)

Recorte do Jornal do Brasil 31/02/71
Em 1971, 0 Festival de Inverno de Ouro Preto recebe patrocínio do MEC e promove “cursos de férias”. Abrindo campo então ao debate, observação e manifestação da categoria de patrimônio cultural e possibilitando experiências sobre a cultura mineira em sua autenticidade. Recebe apoio do ministério como reconhecimento de sua importância no âmbito nacional e tem na proposta “cursos de férias” que possibilitam ao sujeito atuar e apreender neste campo - o posicionando entre o ideal preservacionista e a possibilidade de atuação neste sentido.


Jornal “O Ouro Preto” 20/07/1972
Em 1972 a matéria do Jornal "O Ouro Preto" destaca a preocupação do Prefeito Dr. Benedito Gonçalves Xavier com a produção de pesquisa sobre o patrimônio material de Ouro Preto e demais cidade históricas de Minas Gerais. O mesmo jornal reserva grande parte da matéria às redescobertas de pontes, ruínas e peças sacras recuperadas. Ao entender do autor da matéria a cidade quando pesquisada sempre surpreenderá aos que se colocam a esta prática. O festival de inverno em 1971 ocorre assim em oncomitância ao III Encontro de Prefeitos, que irão debater turismo em Minas e no qual o Prefeito Dr. Benedito defenderá as políticas preservacionistas arraigadas à manutenção dos patrimônios materiais mineiros. No que tange a programação do festival deste ano destaca-se: A peça “Libertas Quae Sera Tamem” apresentada pelos alunos da escola técnica da UFMG; a peça “Aleijadinho, aqui e agora”  e os concertos realizados pelos alunos do festival.  Estes eventos e também o III Encontro de Prefeitos, dão a tônica à forma pela qual o patrimônio cultural é refletido pela comunidade mineira naquele momento. No contexto da cidade de Ouro Preto – e demais cidades históricas de Minas Gerais – uma ideia de patrimônio cultural dependente de um produto material do passado pode ser evidenciada nas políticas preservacionistas apresentadas no encontro de prefeitos, o que neste momento tornavam necessárias, pois esta cidade teve seu espaço material reconhecido como patrimônio nacional e passava por sérios problemas estruturais quanto a sua conservação. Assim a preservação das formas passadas possibilitaria serem trabalhadas no presente não apenas na sua representação na memória coletiva dos brasileiros, como também pelo empreendedorismo do turismo como possibilidade de produção de renda aos cidadãos e gestão dos seus patrimônios. As peças apresentadas então sobre temas – “Libertas Quae Sera Tamem” e “Aleijadinho, aqui e agora” - tão carregados de referenciais na memória coletiva dos mineiros denotam as maneiras como as novas abordagens dão a dinâmica às formas passadas.
Jornal “O Ouro Preto” 20/07/1972
A busca de estruturação e busca de ordenação racional do conceito de cultura em sua manifestação retomou a um problema epistemológico clássico aos acadêmicos que trabalham com este conceito durante o mesmo período. A incapacidade de delimitar a cultura em um objeto de forma estática, o que só é alcançado num plano ideal, não atingindo a manifestação real (SAHLINS, 1997). Logo a cultura material seria forma de se ter registro destas alterações como também possibilitaria abrir questões sobre o modo que estes materiais estão comunicando quando reconhecidos e interpretados como representação da memória coletiva (Duarte, Alice. Antropologia e museus: o museu como lugar de representação do outro.). Daí o discurso da matéria do Jornal “O Ouro Preto”, ainda que “idolatrando” o patrimônio material da cidade, fomenta a intangibilidade de suas formas o que sempre surpreende e surpreenderá quem o pesquisa em seu presente.

Jornal O Ouro Preto, 15 de Maio de 1974
Jornal O Ouro Preto, 15 de Maio de 1974
Dois anos depois, em 1974, o jornal O Ouro Preto anuncia o 8º Festival de Inverno como um programa bastante diferente “embora continue perseguindo os mesmo objetivos: a extensão e o turismo cultural nas cidades mineiras” e possibilitando a estudantes do Brasil e do exterior  a conhecer “o riquíssimo patrimônio cultural, estudando-o e debatendo os seus diversos aspectos”. Sob o tema “300 anos do ciclo do ouro e do diamante” o festival de 1974, com a programação cultural estendida a 18 cidades mineiras, cede espaços a diversos festivais de manifestações culturais como Festival de Corais, Festival Brasileiro de Teatro Amador, Festival de Dança além do III Encontro de Museus e II Seminário Nacional de Educação Artística. Tais festivais abrem campo para a experimentação, apresentação, debate e troca de experiências, indicando a dinâmica destas manifestações culturais que compõe o patrimônio cultural dos mineiros. O III Encontro de museus que integra a programação deste ano acentua um movimento de ganho de autonomia às certas instituições quanto à gestão do seu patrimônio material. Um movimento característico na década de 70 pelo qual a cultura material fora apreendida pela sua representação simbólica com o fim de que, ao interpretá-la, o expectador se identifique em relação à instituição que a expõe. Daí a necessidade do debate que fomente os problemas e possibilidades, ajustados ao contexto em que se expõe (idem.) A segunda edição do Seminário Nacional de Educação Artística ressalta o debate sobre a transmissão do saber sobre o patrimônio artístico pelo ensino das artes nas escolas do País. Logo, posta em debate, tal forma de transmissão tende a se ajustar as questões práticas do presente. 
Mantendo os minicursos e apresentações de concertos musicais, peças teatrais, exposições artísticas, destaca-se neste momento a apresentação de espetáculos folclóricos e de música popular como também as feiras livres de arte e artesanato. Estes últimos eventos ganham destaque, pois fertilizam o “campo” em que o festival ocorre com maior diversidade de formas culturais possibilitando a troca dos seus produtos culturais.



Folheto: 24º Festival de Inverno da UFMG. BH – Julho de 1992
Já em 1992 o festival de inverno trabalhará o conceito de patrimônio cultural aparentemente de maneira mais distante do que em seus primeiros momentos. Mas de fato ocorre a uma distância geográfica, os festivais de 1989 a 1992 foram realizados em Belo Horizonte e ajustando ao contexto nacional o evento de 1992 tratou do patrimônio cultural em proximidade ao patrimônio natural – visto a preocupação sobre a ecologia debatida neste mesmo ano na conferência Rio 92. O distanciamento, entre o que se entende como patrimônio cultural relacionado aos produtos humanos e o patrimônio natural é aparente já que o patrimônio cultural humano sempre esteve em dependência ao que o meio natural lhe oferece (MELLO, 1987) . A gestão de um patrimônio cultural está então intrigada à disposição das formas naturais. Logo, ganha destaque a produção artística ajustada à preocupação ecológica contemporânea.



Jornal Hoje em Dia, Belo Horizonte julho de 2004
Em 2004, o Festival de Inverno das cidades de Ouro Preto e Mariana é gerido pela pró-reitoria de extensão da Universidade de Ouro Preto, na forma inédita de fórum das artes. Aproximando organização ao contexto local aonde ocorre, o festival de inverno de 2004 deve nos servir como objeto de comparação entre sua abordagem sobre o patrimônio cultural e as abordagens dos primeiros festivais. Em entrevista à matéria “UFOP dá inicio ao seu ‘Fórum das Artes’”, publicada no Jornal Hoje em Dia em julho de 2004, o pró-reitor de extensão da UFOP, Nuno Santos Coelho destaca a gestão feita pela UFOP como autonomia local na organização do evento e também ajusta o foco na “discussão de temas de interesse no momento” sendo o tema “Patrimônio Cultural – Cidades”. O que aparenta estar muito próximo da proposta de 1972, em que as cidades históricas e seu potencial patrimonial ganhavam o centro das discussões, destoa na forma em que este conceito de patrimônio será abordado em 2004. Entre o encontro de prefeitos que integrou o festival de 1972 com a preocupação de preservação material do patrimônio das cidades mineiras e a “oficina-tema” sobre cartografia cultural de 2004, denota se a superação do conceito de patrimônio cultural em relação a suas representações apenas materiais – o que ocorre ao longo dos 32 anos de festivais. A ideia de cartografia cultural tende a observar a disposição das manifestações de cultura sobre o espaço físico não só pelos seus produtos materiais, mas também nas suas manifestações cotidianas. Logo, a categoria imaterial do conceito de patrimônio cultural é posta em voga efetivamente no festival, sendo tema de oficinas e debates mais incisivos. Quanto à transmissão das formas culturais, há em 2004 uma maior autonomia nas apresentações de teor populares e locais, revelando a valoração das formas de cultura tidas como popular que buscam autenticidade e reconhecimento no campo cultural em que manifestam. Esta valoração, que aparenta ter começado a ser fomentada desde o festival 74, pode ser entendida como constante apropriação de novas formas – que garantem a um grupo cultural, na contemporaneidade, melhor comunicação e a reafirmação sua identidade num jogo de autenticidade (individual/singular) e reconhecimento coletivo (MIRA, 2004). Daí destaca-se na programação do festival de 2004 os grupos mineiros Uakti e Galpão que ganham espaço tanto para apresentação quanto para produção nas oficinas.
Jornal Hoje em Dia, Belo Horizonte julho de 2004
Como relevou o pró-reitor de extensão Nuno Santos o “festival não pretende ser apenas um produto de consumo imediato”, mas não só o festival 2004, todos os outros podem ser apreendidos como um campo em que a cultura enquanto categoria de patrimônio não é digerida de imediato como também não é apenas posta à digestão sendo constantemente relacionada às formas e abordagens de cada contexto em que ocorre.
 Há de se destacar então que em todos os momentos o Festival de Inverno foi também espaço para absorção de grande diversidade de referenciais culturais contando com apresentações de outras regiões do país e até internacionais. E isto fez com que ao longo dos anos a categoria de patrimônio cultural relevasse também valores adquiridos e reconstruídos o que, como citado ao inicio do texto, são resultados “do permanente esforço no sentido do auto aperfeiçoamento individual e coletivo.” (GONÇALVES, 2005).

 

Referencias:
Duarte, Alice. Antropologia e museus: o museu como lugar de representação do outro. In: Revista Antropológicas, n.º 2, 1998.
GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Ressonância, materialidade e subjetividade: As culturas como patrimônios. In: Revista Horizonte antropológico vol.11 no.23 Porto Alegre Jan./June 2005.
MELLO, Luiz Gonzaga de. Cultura: Funcionamento e Mudança. In: Antropologia Cultural: iniciação, teorias e temas. Petrópolis, Vozes, 1987. Pp.80 – 126
MIRA, Maria Celeste. O global e o local: mídia identidades e usos da cultura. Margem. São Paulo: Faculdade de Ciências Sociais / PUC, nº3, p.131-149, dez. 2004.
SAHLINS, Marshall. O “pessimismo sentimental” e a experiência etnográfica: Por que a cultura não é um “objeto” em via de extinção In: Revista Mana vol.3 n.1 Rio de Janeiro Abril. 1997

Fontes: 
Jornal Hoje em Dia, Belo Horizonte julho de 2004.
Folheto: 24º Festival de Inverno da UFMG. BH – Julho de 1992.
Jornal O Ouro Preto, 15 de Maio de 1974.
Jornal “O Ouro Preto” 20/07/1972.
Recorte do Jornal do Brasil 31/02/71.